quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

BUEMBA BUEMBA: VAI, VOMITA E VOLTA É DESTAQUE COM JOSÉ SIMÃO NA BAND NEWS

O jornalista Ricardo Boechat e Carla Bigato comandam o Jornal Band News
Dono do espaço mais hilário da rádio FM (all news) do Brasil, o colunista e jornalista José Simão (no ar de segunda a sexta às 8:45 h no Jornal Band News nas emissora da rede Band News FM (no Rio 90,9 e 94,9 mHz), no periodo de carnaval, fala dos mais pitorescos e estranhos nomes de blocos carnavalescos do nosso páis.
E nesta quarta feira 22/02, destacou o bloco VAI, VOMITA E VOLTA de Maricá, como sendo a verdadeira essência do carnaval, onde você VAI (se diverte e bebe todas), VOMITA e depois VOLTA para recomeçar tudo de novo.

Confira acessando http://bandnewstv.band.uol.com.br/videos/ultimos-videos/16146433/simao-sobre-alexandre-morais-parece-um-vibrador-com-aquela-careca.html


terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

EXPOSIÇÃO, MULHER, UM CLICK DE LIBERDADE, EM SAQUAREMA


Acontecerá no sábado 18 de março, a inauguração da exposição MULHER, UM CLICK DE LIBERDADE, realizado pela REC + em parceria com a PR Produções.
O evento acontecerá na Casa de Cultura Walmir Ayala, em Saquarema, produzido pela jornalista e produtora Michele Maria.
Qualquer mulher, de qualquer idade poderá participar do evento, que terá sua seleção final nesta sexta feira 24 de fevereiro.
Os ensaios fotográficos acontecerão em Saquarema logo após ao carnaval e a exposição apresentará mulheres de todas as idades em sua total expressão de liberdade.
Contatos para participação:
Maricá: (21) 99281-4037 Pery Salgado - PR PRODUÇÕES
Saquarema e região dos lagos: (22) 99234-8025 - Michele Maria - REC +

DANI ATHAYDE, MUSA COMPLETA CADA VEZ MAIS PERFEITA!


Nossa Musa Completa 2016, Dani Athayde está cada vez mais gata e conseguindo resultado cada vez mais expressivos na sua busca por um corpo sarado.
É bom lembrar, que essa gata que hoje vemos nessas linas fotos, há menos de 5 anos atrás, pesava 130 quilos.
Ela conseguiu, com muita força de vontade e você pode conseguir também.
E para incentivar você na busca de uma melhor qualidade de vida, Dani deixa as seguintes dicas:


"Suporte as dores, aprecie os ganhos!" Os resultados não serão imediatos, mas com esforço constante serão evidentes...
Siga confiante na direção dos seus sonhos, viva a vida que você imaginou.
Se você faz o que sempre costuma fazer, vai conseguir sempre os mesmos resultados!
Para alcançar o que muitos não conseguem, você tem que fazer o que eles não fazem...
'Não é modismo, é amor...'
'Não é dom, é criação!!!' "



segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

COMEÇA CAMPANHA "SOU MULHER, SÓ TRANSO COM CAMISINHA"


A Prefeitura de Maricá está promovendo a 4ª edição da campanha “Sou mulher, só transo com camisinha”. A ação, que acontece entre os dias 20 e 24/02 em diversos pontos da cidade, tem o objetivo de conscientizar as mulheres sobre a importância do uso de preservativos nas relações sexuais e deve distribuir 2 mil preservativos. Seja consciente!
A dustribuição será feita no Hospital Conde Modesto Leal, na UPA, nos Postos de Saúde, nos CRAS e em locais como a praça Orlando de barros Pimentel e Barroco.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

JOVEM ATROPELA E MATA NAMORADO POR CIUMES

Estudante é presa por atropelar e matar namorado em São Bernardo do Campo, SP
Câmeras de segurança registraram momento em que casal discutiu e mulher passou com carro por cima do corpo do namorado várias vezes na noite de sábado (18/02).

Jovem morto pela namorado por ciumes em bloco de carnaval

A estudante Francine Suati de Lima, 30 anos, foi presa em flagrante após atropelar e matar o namorado, o recepcionista Daniel Masson, de 35 anos, por volta das 20h50 da noite de sábado (18) no bairro Assunção, em São Bernardo do Campo, na grande São Paulo. O caso foi registrado como homicídio qualificado no 3º DP de SBC.
Policiais militares foram chamados para atender uma ocorrência de atropelamento e quando chegaram ao local a vítima já estava recebendo os atendimentos do Samu. Segundo a polícia, Francine alegou que Daniel – com quem mantinha um relacionamento há 5 anos – se jogou na frente do carro dela, que ficou desorientada e o atropelou. A versão foi contestada por testemunhas que disseram ter visto o casal discutindo e que a motorista seguiu o namorado até atingi-lo com o carro, passando com o veículo sobre a vítima mais de uma vez. Câmeras de segurança da rua confirmam a discussão e as condições do atropelamento.
Daniel Masson chegou a ser socorrido ao pronto-socorro central de São Bernardo do Campo mas não resistiu aos ferimentos. Francine Suati de Lima foi levada para a cadeia pública feminina da cidade e o carro dela apreendido. O caso foi registrado como homicídio qualificado no 3º DP de SBC, pela delegada Carolina S. Aguiar. O número do boletim de ocorrência é 1270/2017. A estudante passará por uma audiência de custódia onde um juiz determinará se ela fica presa ou responderá pelo caso em liberdade.

Roberta Miranda posa nua com cachorrinho

Cantora voltou a ousar em foto publicada em sua conta no Instagram


Roberta adora causar nas redes sociais. Nesta madrugada, mostrou mais uma vez sua versão lacradora e posou nua com um cachorrinho nas costas.

O clique enlouqueceu os internautas. Um fã chegou até a fazer um pedido ousado para a cantora de 60 anos. "Deixa eu ser seu cachorrinho. Te amo, saudade!", escreveu.

"Que linda", "minha diva" e "que cachorrinho de sorte" foram algumas das outras mensagens publicadas pelos seguidores da artista.

CARNAVAL 2017: BAILE MUNICIPAL TEM SPC, CÔRTE DE MOMO, MISS E MUITA INSEGURANÇA

Miss Fluminense Plus Size - Danielle Antunes foi reverenciada pela Côrte de Momo

Danielle Antunes - Miss Fluminense Plus Size, recebida pela côrte de Momo: Princesa Arethuza Montenegro (40) – dançarina e diretora da escola de samba União de Maricá, Helenn Martins (29) esteticista, eleita Rainha pela segunda vez e o Rei Momo Antônio Will (25), passista e diretor da União de Maricá.
O baile municipal de Carnaval foi marcado por brigas, insegurança e atraso no show principal, com o grupo ‘Só Pra Contrariar’.
TÔ KERENDO levantou a galera

Inicialmente, o evento foi aberto mais cedo, pelo grupo ‘To Kerendo’, na praça Orlando de Barros Pimentel, no sábado (18/02) e levantou a galera. Porém, a alegria parou por aí.
Marcado para as 23h, o grupo ‘Só Pra Contrariar’ só entrou no palco após as 1h30 já na madrugada de domingo, mesmo com o atraso nos relógios em uma hora com o fim do horário de verão, ou seja, pelo horário de verão, teriam entrado no palco às 02:30 h.

Praça lotada no Baile Municipal que recebeu o Só Pra Contrariar

Algumas brigas foram registradas, o que deixou foliões que foram curtir com a família preocupados sobre como serão os dias de Carnaval. “Se hoje foi essa confusão, com pouca segurança, imagina no Carnaval, quando muito mais pessoas vão vir pra cá”, comentou o folião Marcos Rodrigues, de 32 anos, morador de Guaratiba, região litorânea de Maricá.

A Secretaria de Segurança informou que 45 agentes de segurança trabalharam para garantir a tranquilidade de moradores e visitantes, e que, até as 3h nenhum incidente havia sido registrado, embora, na verdade, várias pequenas brigas foram vistas em diversos locais da praça.

Apesar do enorme atraso, a galera adorou o show

MISS FLUMINENSE PLUS SIZE - DANIELLE ANTUNES FOI RECEBIDA PELA CÔRTE DE MOMO E PELO GRUPO SPC

Danielle e Fernando do SPC
Ela brilhou mais uma vez. Danielle Antunes - Miss Maricá Plus Size 2014, Miss Região dos Lagos 2014 e Miss Fluminense Plus Size 2015/2016, foi recebida com todas as honras de uma grande Miss, pela côrte de Momo e pelo lider Fernando do grupo Só Pra Contrariar, e é claro, caiu na folia com toda sua alegria e beleza, representando a PR PRODUÇÕES.




CARNAVAL 2017: Valesca Popozuda lança clipe de 'Pimenta' e comemora repercussão. Veja o clipe!

Cantora acredita que a música vai ser o novo hit do carnaval 2017. 'Estou feliz e fico muito agradecida com tamanho carinho e amor de todos', diz.


Confira o video no final desta matéria

Valesca Popozuda apostou forte em sua nova música, "Pimenta", como o novo hit do carnaval 2017. E parece que o esforço deu resultados. No dia em que foi lançada, a canção foi um sucesso tanto no Spotify quanto no Twitter. Menos de uma semana depois, a cantora publicou o clipe na internet, e, em menos de 24 horas, ele teve mais de 80 mil visualizações no YouTube.

A cantora, que define o clipe como "apimentado e engraçado", disse que a sua repercussão foi ótima. "Sempre me emociono quando sai um trabalho novo e fico naquela expectativa se irão ou não gostar. Graças a Deus, mais uma vez, o público reagiu de forma bem positiva", diz, ao EGO.

Enquanto procurava fazer um clipe "para todos os tipos de mulheres do Brasil", Valesca também apostou nas cores e na comicidade. "Um trabalho totalmente diferente dos anteriores: uma música com trap e funk com uma pegada mais sensual, e o clipe com o toque especial apimentado de diversão", conta. E acrescenta que recebeu diversos elogios em suas redes sociais. "Estou feliz e fico muito agradecida com tamanho carinho e amor de todos", afirma.


Embora tenha buscado fazer um clipe mostrando a mulher grandiosa, Valesca evita comparações com outros sucessos, como "Beijinho no Ombro" - que em três anos acumula 72 milhões de visualizações no YouTube. "Cada música é uma fórmula, e se os fãs acreditam nela, para mim, já é um sucesso. Minhas músicas não são passageiras, duram anos", diz.

E não pense que o ano de Valesca vai encerrar com "Pimenta". "Em três meses já quero estar com outro clipe. Este ano estou mais madura e resolvi ficar mais à frente do meu trabalho. Nunca tive uma gravadora, e, mesmo sendo independente, vou ter um DVD. Meu foco é esse", conta ela, acrescentando que a gravação deve ocorrer no meio do ano.

Mas essa não é a única novidade da cantora. "Fui convidada para participar da série 'Os Suburbanos' (do canal Multishow) como atriz. Ganhei um papel incrível: faço a Diandra, que trabalha no Mercadão de Madureira, no Rio. Procurei uma coach para me ajudar na interpretação", revela Valesca, sem dar muitos outros detalhes sobre a personagem.

Confira o video abaixo:

INICIATIVA DE SUPERMERCADO FAZ GRANDE TRABALHO SOCIAL


O supermercarco Multi Mix, localizado às margens na rodovia RJ 106 (que liga Tribobó a partir da RJ 104, até Macaé), na altura do km 7, em Rio do Ouro (São Gonçalo), colocou em prática uma iniciativa inédita: o cantinho solidário.
Neste local localizado estratégicamente no centro do supermercado, clientes podem deixar doações trazidas de casa, ou adquiridas no próprio supermercado (essa é a ideia principal), para que pessoas CARENTES peguem o que for ncessário. Mas nada de abuso, até por que na grande bancada do cantinho solidário, existe a placa dizendo: PEGUE APENAS O NECESSÁRIO PARA VOCÊM POIS TEM MAIS PESSOAS COM FOME.

São pequenas iniciativas como esta, que trazem grandes resultados, e DEUS, agradece!

Brasil de volta ao clube dos grandes produtores de diamante

Descoberta na Bahia estimula corrida pelo mineral. País pode subir a 11º lugar no ranking


Após a descoberta na cidade de Nordestina, no interior da Bahia, de uma reserva de diamante capaz de multiplicar a produção nacional da pedra preciosa numa escala superior a dez vezes, o país voltou a ficar na mira de investidores. Ao menos três empresas estão prospectando a pedra preciosa no país — na Bahia, em Goiás e em Minas Gerais — num movimento que deve colocar o Brasil de volta no mapa mundial dos diamantes. Um mercado seleto, com apenas 21 nações produtoras e que em 2015 movimentou US$ 13 bilhões.

O Brasil já liderou a produção global de diamante no século XVIII e, hoje, representa ínfimo 0,02% desse mercado, ocupando a 19ª posição do ranking, capitaneado pelos russos. Considerando o pico de produção na mina de Nordestina, em 2020, estimado em 400 mil quilates, o Brasil será alçado ao 11º lugar, mantida estável a produção dos demais países. Em 2015, foram produzidos 127,4 milhões de quilates de diamantes no mundo.

Paralelamente à chegada de novos investidores, está em fase final de revisão um levantamento do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), órgão do governo federal, com áreas potenciais para exploração de diamantes.

O projeto Diamante Brasil identificou 1.344 dos chamados corpos kimberlíticos e rochas associadas, reunidos em 23 campos. É nessas áreas de nome esquisito que se encontra o diamante primário, incrustado em rochas e cuja produtividade é bem maior que a do diamante secundário, geralmente encontrado nos rios.

É sobre esse mapa da mina que as empresas estão se debruçando atrás de novas jazidas. Uma atividade cara e de risco. Estima-se que apenas 1% dos corpos kimberlíticos tenha diamantes economicamente viáveis. No mundo, pouco mais de 20 jazidas de kimberlíticos estão em produção. Até ano passado, o Brasil estava fora dessa estatística. Produzia somente diamantes secundários, muito explorados por cooperativas de garimpeiros.

A descoberta de Nordestina mudou o cenário. Em meados de 2016, deu-se início a primeira produção comercial de diamante primário no Brasil. Liderada pela belga Lipari, a produção deve alcançar este ano 220 mil quilates — em 2015, último dado fechado, a produção nacional havia sido de 31 mil quilates.

Segundo o canadense Ken Johnson, presidente da empresa, as terras onde a Lipari prospecta diamantes foram adquiridas da sul-africana De Beers, em 2005. Desde então, foram investidos R$ 214 milhões. A produção será exportada.

— O trabalho na mina é de 24 horas por dia. Temos 270 funcionários e devemos chegar a 290 empregados no fim do ano. E isso é só o começo. Estamos olhando outras áreas em Rondônia e Minas Gerais — diz Johnson.

DESCOMPASSO ENTRE OFERTA E DEMANDA

O diamante é feito de carbono e é formado na base da crosta terrestre, a pelo menos 150 quilômetros de profundidade. Para que se forme, é necessário que esteja em ambiente estável, com elevadíssimas temperaturas e determinadas condições de pressão. Com a movimentação no interior da Terra, há liberação de energia. O magma, então, busca uma válvula de escape e aproveita falhas geológicas para chegar à superfície. O diamante “pega carona” no magma.

— Quando esse percurso é feito em poucas horas ou poucos dias, o que é bastante raro, o diamante é preservado. Caso contrário, desestabiliza-se e vira grafite — explica a geóloga Lys Cunha, uma das chefes do projeto Diamante Brasil.

Ao chegar à superfície, o magma se solidifica e forma as chamadas rochas kimberlíticas. O diamante primário fica incrustado nessas rochas. Com o passar do tempo, as rochas sofrem processo de erosão e o diamante acaba sendo carregado para outras áreas, alojando-se ao longo de rios. Nesse caso, passa a ser chamado de diamante secundário. Segundo empresários e especialistas, não há diferença de qualidade entre eles. O que muda são os meios de extração empregados e a sua produtividade.

— O diamante secundário tem uma produção errática, pois fica mais espalhado. Além disso, não se costuma cavar mais de 15 metros a 20 metros de profundidade para encontrá-lo. Já o diamante primário fica mais concentrado. No processo de extração, pode-se perfurar de 200 metros a 300 metros de profundidade, o que exige uma produção bastante mecanizada e investimento bem maior. O volume de produção também é muito superior — explicou Francisco Ribeiro, sócio da Gar Mineração. — Por isso, temos a oportunidade de voltar a ocupar posição de destaque no ranking global.

A empresa, de capital nacional, atua há 60 anos no Brasil e hoje produz cerca de 3.600 quilates a 4.800 quilates por ano de diamante secundário no Triângulo Mineiro. Agora se prepara para estrear na produção de primário. Segundo Ribeiro, a companhia está em fase de qualificação das reservas, também em Minas Gerais. E a estimativa para iniciar a produção é de um a dois anos.

A história do diamante no Brasil remonta ao século XVIII. Não se sabe ao certo quando houve a primeira descoberta, mas historiadores apontam o ano de 1729 como o que o então governador da capitania de Minas Gerais, Dom Lourenço de Almeida, oficializou a existência das minas à metrópole. Até então, as descobertas da pedra preciosa corriam à boca pequena e enriqueciam quem se aventurava na clandestinidade.

Com a Coroa ciente, a produção no então Arraial do Tijuco (atual Diamantina, Minas Gerais) ganhou novo impulso e o Brasil assumiu a liderança mundial do diamante, desbancando a Índia. Durante quase 150 anos, manteve a dianteira. Em 1867, a descoberta de um diamante nos arredores de Kimberley, na África do Sul, levou a uma corrida pela pedra preciosa no país. O Brasil, então, perdeu a hegemonia e está hoje na lanterna da produção global, à frente apenas de Costa do Marfim e Camarões.

NOS EUA, PEÇA ESSENCIAL DO NOIVADO

Desde 2010, a produção mundial está estacionada na faixa dos 130 milhões de quilates. Recente relatório da consultoria Bain&Company, porém, estima que a demanda vai crescer a um ritmo de 2% a 5% ao ano até 2030, embalada pelo consumo da classe média americana e chinesa. Cobiçado por casais apaixonados, o diamante brilha com frequência em joias que os maridos americanos dão a suas esposas. Pesquisa mostra que 71% dos americanos nascidos entre os anos 1980 e 2000 consideram o diamante um elemento essencial do anel de noivado.

A oferta de diamantes, no entanto, não deve acompanhar a retomada do consumo. A consultoria projeta queda de 1% a 2% por ano na produção da pedra até 2030, devido ao esgotamento das minas. É nesse desequilíbrio que está a oportunidade para o Brasil voltar ao clube.

— O Brasil, de alguma forma, foi ignorado pelos maiores produtores e a oportunidade de identificar e desenvolver novas minas é única. Em uma recente viagem a Antuérpia, houve empolgação quanto à qualidade dos diamantes brasileiros. O país tem chance de voltar a figurar entre os líderes da produção global de novo — diz Joe Burke, diretor de Marketing da Five Star Diamond.

A empresa foi fundada por um geólogo australiano, que se associou a investidores estrangeiros e a um advogado brasileiro. Juntos, compraram áreas em diferentes regiões no Brasil para prospectar diamante. Segundo Burke, em 15 dos cerca de cem corpos kimberlíticos que a companhia tem no portfólio há grande chance de ocorrência de diamante. A Five Star já levantou US$ 7 milhões com investidores e se prepara para listar a empresa no mercado de capitais canadense. A produção no Brasil deve começar em Goiás, onde o projeto está mais avançado, no fim do ano.

BUROCRACIA E FALTA DE SEGURANÇA

A ausência de guerras civis e religiosas no Brasil é apontada por fontes do setor como um atrativo. A exploração da pedra preciosa sempre levantou polêmica porque costumava ser usada para financiar conflitos civis na África. Com o filme “Diamante de sangue”, estrelado por Leonardo DiCaprio em 2006, a crueldade das guerras e a associação à produção do diamante se tornaram mundialmente conhecidos.

O diamante produzido legalmente no Brasil e em outros países, no entanto, segue o processo de certificação Kimberley, espécie de atestado de origem criado justamente para inibir o comércio ilegal. A burocracia no país para emitir os certificados, no entanto, é uma trava na expansão do mercado, alertam empresários. Antes de ser exportado, o diamante precisa ser pesado, medido e analisado. Isso é feito por um funcionário do Departamento Nacional de Pesquisa Mineral (DNPM) em uma unidade regional do órgão.

Como o certificado precisa da assinatura do diretor-geral do DNPM e o sistema não é informatizado, ele é enviado por Sedex até Brasília, sede da instituição, e retorna ao produtor igualmente pelo correio. O processo leva de dez a 15 dias, segundo João da Gomeia Silva, da coordenação de ordenamento e extração mineral do DNPM.

Durante esse período, os diamantes ficam em cofres das próprias empresas produtoras ou de seguradoras, trazendo risco à segurança das companhias e dos funcionários. Mês passado, a Lipari foi invadida e teve parte de sua produção roubada. Se depender da agilidade do poder público, as mineradoras continuarão vulneráveis.

— O DNPM está na era digital. Até 2018, a ideia é eliminar o papel — diz Silva.