sexta-feira, 26 de agosto de 2016

'Nós nos devoramos', diz Jady Bolt sobre noite com velocista

Estudante conta para gringos como foi a noite quente com Usain Bolt

Rio - Usain Bolt é rápido nas pistas e para conquistar a mulherada. Mas, na hora do vamos ver, ele se mostrou um maratonista do sexo, do tipo que vai devagar, devagarinho para levar a parceira à loucura, sem a pressa dos velocistas. E depois da primeira bateria, o jamaicano ainda tem fôlego para engatar uma segunda, mesmo após passar a noite inteira dançando numa boate.
Mas o ganhador de três medalhas de ouro na Rio-2016 (nove na carreira) parou por aí e não tentou o tri com a estudante Jady Duarte, que revelou, em entrevista ao jornal inglês Daily Mail, detalhes de sua noite quente com o atleta, num quarto da Vila Olímpica, na Barra da Tijuca, de onde ela só saiu às 9h de domingo.
Sobre o tamanho do ‘raio’ de Bolt, Jady garante não ser nada acima dos padrões. “Ele é como um cara normal”, disse a carioca. Jady revelou ainda uma curiosidade: como ela não fala inglês nem o astro entende português, os dois usaram um aplicativo de tradução para trocar algumas ideias.

100 ANOS DO BIQUÍNI. Confira o vídeo desta evolução

100 ANOS DE BÍQUINIS EM 1 MINUTO; VEJA O VÍDEO MOSTRANDO A EVOLUÇÃO DA PEÇA


A transformação acontece através de um trabalho de pintura corporal


Nós homens somos cheios de fetiches. Na década de 60, a Bond girl Honey Ryder, de Ursula Andress, mostrou as longas pernas no primeiro filme de 007, Dr. No, de 1962. A cena mais memorável é ela saindo do mar usando aquele biquíni branco. Biquínis, bíquinis, bíquinis… Tá aí um acessório que vive no imaginário masculino. Agora, esse fio dental que você se habituou a ver nas praias brasileiras está longe de ser o padrão de tamanho mundial, muito menos histórico.

Acompanhe os 100 anos de transformação do biquíni com esse trabalho de pintura corporal incrível.

O GUIA COMPLETO DO PRAZER... DELA!

Levar uma garota ao orgasmo não é só um ato de cavalheirismo. É um jeito de você ter mais e melhor sexo.

Montamos este GUIA com sacadas científicas que vão facilitar seu caminho ao nirvana. O seu e o dela também, claro!
Publicidade
Uma coisa é uma coisa…
Ejaculação feminina não é sinônimo de squirting (líquido esguichado da vagina) – e ele não acontece com toda mulher. O gozo é espesso e esbranquiçado. Ele libera cerca de uma colher de sopa de fluido e tem sabor adocicado, indica Beverly Whipple, sexóloga americana e coautora do livro The Orgasm Answer Guide (O Guia de Respostas do Orgasmo). Já o líquido esguichado no squirting, ralo e transparente, é produzido por uma glândula localizada atrás da uretra. Uma pesquisa da Unicamp constatou que algumas mulheres têm algo parecido com uma próstata – a ejaculação estaria relacionada a ela.
Pra que ele serve?
Para lubrificação que não é, pois o orgasmo acontece após o clímax. Uma teoria encontrada por pesquisadores da Escola de Medicina do Hospital Mount Sinai (EUA) diz que o fluido tem compostos antimicrobianos que ajudam a combater infecções no trato urinário.
A vida pós-gozo
Se a moça gozou durante as preliminares, é melhor ter um lubrificante em mãos se vocês quiserem continuar o jogo. Depois do orgasmo, as mulheres tendem a perder o tesão e a ficarem mais sensíveis à dor. Como houve um acúmulo de sangue por causa da excitação, as terminações nervosas estão a mil, principalmente no clitóris. Com o clímax, é como se houvesse um curto-circuito ali: o toque, que era para ser bom, agora acaba incomodando. Ou seja, a garota dificilmente vai conseguir permanecer lubrificada por muito tempo. Para não ter atrito, lambuze ainda mais a moça e mande pau – literalmente!
De onde vem, para onde vai
Para fazer sua garota gozar, não foque apenas na vagina. O orgasmo é provocado ou intensificado no estímulo do clitóris, vulva, colo do útero e seios. Barry Komisaruk, professor de psicologia da Universidade Rutgers (EUA) e coautor do livro The Science of Orgasm (A Ciência do Orgasmo), diz que as contrações musculares são parte dos efeitos causados pela descarga sexual. O êxtase acontece dentro do cérebro.
Para o alto e avante!
Usar salto alto dá um upgrade nos orgasmos da gata. Essa é a conclusão de um estudo feito pela Universidade de Verona (Itália). Andar na ponta dos pés fortalece a musculatura da região pélvica – que inclui vulva, períneo e ânus. Ativada, ela fica mais sensível ao toque. Segundo a coordenadora da tese, Maria Cerruto, o salto ideal tem entre 4 e 5 centímetros, mas poucas mulheres se acostumam com saltos e quanto maior o salto, mais fêmea ela será.. Taí uma dica de presente de Natal.
Prazer dobrado
Adiar o orgasmo da garota pode aumentar o prazer dela, revela pesquisa publicada no periódico científico Journal of Sex Research. Enquanto se masturbavam, as mulheres estudadas que davam uma pausa perto do clímax tiveram uma explosão mais poderosa posteriormente do que aquelas que partiram direto para a linha de chegada. “A frustração de não chegar lá é que faz os sentidos se intensificarem”, explica Laurel Paterson, psicóloga canadense e autora do estudo. Faça o teste durante o próximo sexo oral: estimule a gata até os 45 minutos do segundo tempo. Aí, dê uma recuada – com um beijo na boca, talvez. Quinze segundos depois (ela não pode esfriar, meu caro!), caia de boca lá novamente. Repita isso apenas três vezes, senão o clitóris vai ficar dolorido. O resultado? Buuuuum!
Fisiologia burra
Uma apuração feita na Alemanha concluiu que quanto maior o grau de instrução de uma mulher, maior é a dificuldade de ela chegar ao orgasmo. A pesquisa foi feita com 2 mil participantes e 62% das que tinham nível superior afirmavam ter empecilhos para gozar. Apenas 38% das que concluíram até o ensino médio reclamaram desse problema. A conclusão dos cientistas é que garotas mais instruídas ocupam cargos profissionais mais estressantes – o que leva a um bloqueio sexual e até queda na libido.
É bom com camisinha
A qualidade do orgasmo dela não sofre interferências por causa do látex, revela um estudo da Universidade de Indiana (EUA). Usar preservativo até ajuda: além de mais segurança, a camisinha retarda a ejaculação masculina. Assim, você não queima a largada e a parceira pode ser estimulada por mais tempo.
Vaginal ou clitoriano?
Tanto faz: orgasmo é orgasmo. Freud explica: ele que criou o mito, há mais de 120 anos, de que mulheres maduras teriam orgasmos vaginais. Mas o clímax acontece basicamente com a estimulação das terminações nervosas que partem do clitóris – o tal ponto G é, inclusive, a parte de trás da raiz clitoriana, a uns 4 centímetros da entrada da vagina, na parede superior.
Mas que eles existem, existem e são diferentes sim. O clitoriano é o mais comum, o vaginal, mais dificil de se conseguir, o homem precisa ser um bom conhecedor ou um atleta sexual e a mulher que atinge os dois, principalmente o vaginal após alguns clitorianos, é a mulher mais feliz e realizada do mundo e tem com ela, um homem perfeito.

Ex-BBB Renatinha faz ioga de maiô e mostra corpo torneado

Loura divulgou imagem em uma rede social nesta quinta-feira


Rio - A ex-BBB Renatinha aproveitou a tarde desta quinta-feira para relaxar. A loura postou no Instagram uma foto em que aparece fazendo uma postura de ioga. No entanto, o que chamou atenção mesmo foi a boa forma da moça, que tem o hábito de praticar ioga de biquíni e maiô. "Esse é um dos Asanas que mais gosto. Contemplando esse dia maravilhoso em Sampa", escreveu Renata na legenda da foto. "Perfeita e linda", comentou um seguidor. "Por Deus, não faça isso comigo não", brincou outro admirador.

MÃE PROSTITUÍA A PRÓPRIA FILHA JUNTO COM EMPRESÁRIO

Mãe é presa suspeita de prostituir filha em troca de dinheiro de dois idosos

Polícia também prendeu empresário de 84 anos e fazendeiro de 64, em MT.
Adolescente se encontrava com os dois homens desde os 12, diz polícia.


A mãe de uma adolescente de 14 anos e dois idosos de 64 e 84 anos foram presos por exploração sexual e estupro de vulnerável nesta quarta-feira (24), em Campo Novo do Parecis, a 397 km de Cuiabá. Segundo a Polícia Civil, a mãe obrigava a filha a se prostituir em troca de dinheiro e presentes dados pelos idosos há aproximadamente dois anos.
A exploração sexual começou a ser investigada a partir de uma denúncia da própria adolescente ao Conselho Tutelar da cidade, no dia 3 deste mês, conforme a polícia. Ela fugiu de casa e se abrigou na casa de amigos, que a levaram para fazer a denúncia. Ao Conselho Tutelar, a menina alegou que estava sofrendo ameaças por parte da mãe por não querer mais se prostituir.

De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Adil Pinheiro de Paula, desde os 12 anos de idade a adolescente era submetida a encontros sexuais com um fazendeiro, de 64 anos, e com um empresário e dono de um  cartório de São José do Rio Claro, a 325 km de Cuiabá, de 84.
Os encontros com o fazendeiro ocorriam semanalmente em um motel, em Campo Novo do Parecis. A mãe levava a adolescente até o estabelecimento. Os três entravam no local, mas a mulher aguardava no carro, enquanto a filha estava no quarto com o homem.

Ainda segundo o delegado, o esquema com o empresário de São José do Rio Claro era mais elaborado. “Ficou constatado que ele enviava dinheiro para a mãe levar a menina de ônibus a Cuiabá, onde os três se hospedavam em um hotel como marido, mulher e enteada, mas nunca entravam ou saíam juntos do local”, contou.
Além do dinheiro recebido pela mãe a cada encontro, imagens utilizadas na investigação identificaram que elas faziam compras utilizando o cartão de crédito do empresário em shoppings da capital. O suspeito também presenteou a mãe com uma motocicleta zero quilômetro e pagou uma festa de aniversário para a menina no valor de R$ 24 mil, segundo o delegado.
“De acordo com as investigações, a mulher parou de trabalhar e vivia exclusivamente da exploração da filha”, disse o delegado.
Ao ser interrogada, a mãe assumiu que recebia dinheiro e presentes, mas negou que ocorressem os abusos sexuais.
Ela está detida na delegacia de Campo Novo do Parecis e os dois homens estão presos na cadeia pública da cidade. De acordo com a Polícia Civil, há provas de que outras meninas também frequentavam a casa do empresário, em São José do Rio Claro
A menina foi encaminhada pelo Conselho Tutelar para tratamento psicológico e está sob os cuidados de um familiar próximo, em outra cidade.

QUEM DISSE QUE MULHERES NÃO CURTEM SITES PORNÔS?

ELAS TAMBÉM CURTEM: 5 SITES PORNÔS PARA MULHERES QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

Esqueça a ideia de que pornografia é coisa exclusiva para os homens - pesquisas provam o contrário e a própria indústria já produz filmes feitos para o público feminino



Suas amigas, sua mulher ou sua namorada dizem que não curtem pornô? Talvez você devesse perguntar de novo. É verdade que mulheres raramente assumem gostar de pornografia, mas as coisas estão mudando.

Ano passado, eu escrevi esse texto para o site Think Olga e descobri que um terço dos visitantes de sites pornôs são mulheres, de acordo com uma pesquisa de 2012 do instituto Nielsen/Net Ratings, e que de acordo com o tabloide The Sun, 66% das mulheres consomem pornografia, não importa o formato (vídeos, fotos, literatura). E antes que digam que mulheres são menos afetadas fisicamente – tipo, tesão mesmo – por porn, uma pesquisa na Universidade de Amsterdam detalhada no documentário Clitóris – prazer proibido apontou que mulheres são tão estimuladas fisicamente por pornografia quanto homens.

Claro que há quem não goste de pornô. Mas o lance é que entre nós, mulheres, ainda não é fácil admitir livremente que a gente curte um pornozinho de vez em quando. Alguns caras babacas acham isso um problema. Algumas moças babacas também.
Na prática, tem muito homem por aí que acha esquisito que uma moça veja pornografia – e eu sei disso porque entrevistei pessoalmente uma porção de amigos sobre o tema e alguns acharam a ideia absurda. Sim, em 2014. Sim, eram moços jovens e supostamente bem informados.

Além disso, até pouco tempo atrás a pornografia era feita somente pensando em caras. Isso cria um monte de expectativas irreais sobre o que é o sexo de verdade e também deixa a coisa meio sem graça de assistir pra gente (na verdade, eu acho que não só pra gente). Só que isso mudou. Já existem centenas de sites pornô especializados em vídeos para garotas que curtem pornografia.
O YouPorn e o XVideos já tem até uma categoria chamada “Female Friendly”. No geral, isso não significa um tipo só de filme, mas sim mais diversidade nos formatos, nos padrões do corpo dos atores e temas, o que significa que pornografia pra mulher não é só pra mulher, é pra todo mundo.

Separamos cinco sites pornôs que são focados em mulheres, mas que têm material, digamos, que pode ser apreciado por todo mundo. Dá uma olhada (e é tudo NSFW):

James DeenSite oficial do ator pornô queridinho das mulheres. Os vídeos não são gratuitos, mas ele tem umas versões de preview. Destaque para os vídeos amadores, em que ele faz cenas com fãs que se candidatam pelo site.
James-Dean

SSSHProdutora especializada em vídeos para mulheres. Também não tem vídeos gratuitos, mas a qualidade e quantidade compensam.
SSSH
– – –
Good VibrationsTudo para mulheres que curtem pornô – tem material grátis.
layout_logo_store_straight
– – –
Female Friendly PornUm guia geral para pornografia feita com foco no prazer feminino.
female-friend
– – –
Hot Movies For HerPrecisa de cadastro pago, mas tem 10 minutos gratuitos. É um diretório de vídeos pornô para mulheres
HotMovies
– – –
BÔNUS!
Yummy Porn For GirlsUm tumblr com gifs pornô bonitos para garotas.
yummyporn
– – –
Vivid-EdEducação sexual para mulheres, em inglês, de maneira livre, direta e honesta. Vale acessar pra entender quais são as dúvidas mais populares entre as mulheres quando se trata de sexualidade. Vocês vai curtir.main_header
– – –

CULTURARTEEN 164 - setembro 2016

CULTURARTEEN 164 - setembro 2016

- Marianna Cunha, o rouxinol de Maricá
- Conheça os candidatos a prefeito de Maricá
- O poder da água
- 5 dicas de como usar água para emagrecer
- Dicas de como estudar melhor em casa e na escola
- Deus não é surdo
- WWW completa 25 anos
- Empresários se reúnem para discutir os rumos do comércio e de empregos em Maricá
- As novidades da rede Gigio
- IX Maricanto Encontra doa 03 de setembro
- Vem aí Miss Maricá 2016
Tudo isso e muito mais, na edição 164 (setembro 2016) do Informativo CulturarTEEN, nas versões impressa, on line e eletrônica.

















ELIZA MARTINS EM DOSE TRIPLA NO GATA DA HORA


Ela é linda, uma gracinha e quer tirar o título de Monica Brione de recordista em aparições no Gata da Hora.
Eliza Martins, atriz e modelo, tem a cor do pecado e já apareceu três no Gata da Hora de Rodrigo Mandarini no jornal Meia Hora nos últimos 4 meses.
Aproveite você também para conhece-la e curtir sem moderação.




















quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Mari Paraíba fala sobre vaidade e diz que recebe inúmeras cantadas de mulheres

‘Estranharam no começo, mas hoje a maioria já usa’, entregou a jogadora de vôlei sobre as companheiras de quadra, que posou para o Paparazzo.



Acostumada com os holofotes, a musa do vôlei Mari Paraíba vai para a quadra preparada não só para o jogo, mas com a sua imagem. Nos bastidores do Paparazzo- em ensaio que vai ao ar nesta sexta-feira, 5 -, a atleta contou que usa maquiagem não só para jogar, mas até para os treinos.

“Acho que normalmente a mulher é vaidosa. Quando treino, passo base pra esconder a olheira e passo rímel. No jogo também. Não uso como se fosse para uma festa, mas passo uma base, um blush. Querendo ou não, também é a sua imagem, né? Sempre passa na televisão, tiram fotos”, contou.
Apesar disso, Mari disse que no começo sua vaidade não era muito bem vista. “Eu ouvia: ‘Ah, vem treinar maquiada...’. Estranharam no começo, mas hoje em dia a maioria já usa. A Jaque sempre joga bem maquiada. Acho bem legal. Acaba que falaram tanto e hoje em dia a maioria já faz".
Ainda nos bastidores do Paparazzo, Mari contou que está há dois anos sem namorar e falou sobre o corte da Olimpíada no Rio: "Chorei muito."


Mari Paraíba no Paparazzo: 'Os homens têm medo de chegar em mim'

Atleta do vôlei, cortada às vésperas da Olimpíada, conta que está há dois anos sem namorar e que recebe cantadas de mulher dentro e fora do esporte.


Difícil acreditar que um mulherão como Mari Paraíba está solteira. Com 72kg muito bem distribuídos em seus 1.80m, a jogadora de vôlei admite que intimida os homens. "A maioria tem receio. Os caras, quando tem coragem de chegar em mim falam: 'Nossa, você intimida'. Alguns homens têm medo de chegar em mim", conta.
A atleta - que foi cortada às vésperas da Olimpíada Rio 2016 - diz que a 'dificuldade' de namorar, se deve ao fato de estar quase sempre viajando. Mas ela também confessa ser um pouco difícil: "Eu sou muito chata pra homem. Não gosto de cara novinho, gosto de caras mais velhos. E também não tenho paciência pra homem que não entende o meu trabalho, imagina se eu tiver que explicar desde o começo?" (risos).
Mari não tem um relacionamento sério há dois anos, desde que terminou seu último namoro com o também atleta de vôlei Riad. Apesar disso, ela confessa que um de seus maiores sonhos é formar uma família. "Tenho muita vontade de casar, ter filhos, acho que é o meu maior sonho", conta.


Para realizar este sonho, ela lista o que um homem precisa ter para despertar seu interesse. "Gosto de homem com atitude, decisão. Se quer, quer, fala que quer e não fique enrolando. Também gosto de homem engraçado, simples e com caráter", afirma a atleta.
E se os homens se intimidam com Mari, o mesmo ela não pode dizer sobre as mulheres, que são um pouco mais saidinhas quando o assunto são as cantadas. Ela conta que já ouviu vários elogios e recebeu propostas para sair com mulheres dentro e fora do universo do esporte.
"Recebo, sim (cantadas de mulheres). Tenho muitas amigas lésbicas e como o é o ambiente em que vivo, recebo muitas. Dentro de quadra nunca me cantaram, até porque você está ali para jogar, mas dentro do esporte sim. Quando elas sabem que você não é homossexual, te respeitam muito, mas sempre tem umas que querem te levar para o mesmo caminho", diverte-se, antes de alertar: "Mas já aviso logo, tô fora".



Gonçalense é eleita por revista americana uma das modelos mais promissoras do país


O que têm em comum as esburacadas calçadas de São Gonçalo e a passarela da São Paulo Fashion Week? Acerta quem aposta nas pessoas que passam numas e na outra. Modelos de destaque internacional surgem na cidade e a “new face” queridinha do mundo da moda é Mahany Pery, uma jovem de 18 anos que foi apontada pela revista “Vogue” americana como uma das modelos mais promissoras da nova geração brasileira. A publicação é a mais importante da moda mundial.

Mahany foi a recordista da semana de moda paulistana de abril do ano passado, desfilando por 14 marcas. Hoje, com menos de dois anos de carreira, já é queridinha de estilistas, como Alexandre Herchovitch, Vitorino Campos e Ronaldo Fraga, e tem duas capas de revista no currículo, uma da Elle nacional e outra da ED, do Chile.

A moda, no entanto, nunca foi o foco da menina, que levava na brincadeira quando algum professor dizia que ela tinha porte para modelo. Com o passar dos anos e com o nascimento de cinco irmãos, o mundo fashion foi antes uma solução do que uma paixão.

— Hoje eu gosto, leio sobre, entendo do negócio. Mas quando eu comecei era tudo um turbilhão que não se encaixava na minha cabeça. Ainda assim, insisti. Meus pais investiram o pouco que podiam. Eles me ajudaram a ajudar a família — revela a filha mais velha da ex-ambulante Tatiane Pery, de 34 anos: — Eu vi que era o jeito de levantar minha família. E está dando certo.

 Hoje, a casa no bairro Porto Novo não é mais seu único endereço. Mahany divide com outras modelos um apartamento em São Paulo. Antes, porém, ela e a família viviam trocando de endereços. Moraram em diversos bairros de São Gonçalo, onde Mahany nasceu, em Maricá e até em Queimados, na Baixada Fluminense.

Musa inspiradora


A busca pelo mundo da moda começou aos 16 anos, depois da morte da avó, numa data próxima ao seu aniversário. Como presente, a jovem ganhou da mãe um book fotográfico.

— Foi aí que eu vi que existia uma possibilidade. Minha estatura, meu físico, tudo que me rendeu o apelido de “Avatar” na escola poderia ser usado para uma coisa boa. Procurei agências pequenas, que eu podia pagar, mas que não deram em nada. Até que um dia eu vi a história da Sandra Passos, que era catadora no lixão aqui de São Gonçalo e virou modelo famosa. Busquei a mesma agência (School Models, em Niterói) e começou a funcionar — explica Mahany.

Além de buscar um profissional sério, Mahany também procurou prestar atenção ao que era tendência. Num ímpeto, raspou a cabeça. Era final de 2014 e os fios nunca mais cresceram:

— Eu já tinha ido a São Paulo em busca de trabalho e não consegui nada. Até na minha atual agência (40 Graus) eu não tinha sido aproveitada. Quando raspei a cabeça, a coisa mudou. Ser modelo tem muito de atitude também.

O primeiro trabalho profissional de Mahany foi para “O Globo”, num projeto de verão. Só na publicação carioca, já tem pelo menos duas capas para o caderno “Ela”.

texto:Wilson Mendes